Produtos e Serviços Profissionais Casas de Repouso

blog 60 mais ativa

Informação, dicas e novidades sobre o mundo da maturidade para você

Comportamento
postado 24.10.2019 às 00:00 por Portal CR
Compartilhe

Solidão pode matar

Solidão pode matar

Como a solidão afeta a saúde dos idosos?

 

A solidão pode ter um efeito muito similar ao do estresse crônico em nossa saúde cerebral, e também pode afetar nossos sistemas endócrino e imunológico, o que pode fazer com que desenvolvamos mais doenças.

 

Em momentos de tristeza, raiva ou decepção, sem dúvida, muitas pessoas preferem se isolar e buscar sua tranquilidade na solidão.

 

Contudo, chega um momento em que nos acalmamos e com isso sentimos a necessidade de voltar a sentir a companhia e o apoio de todos aqueles que, de uma ou de outra forma, nos motivam a viver.

 

Quase ninguém, por decisão própria, decide ficar sozinho. Isso porque estar rodeado de mais pessoas e se sentir importante para alguém é uma necessidade de todas as pessoas.

 

O triste é que algumas pessoas, sobretudo ao chegarem à velhice, sofrem isolamento por parte da família e entes queridos; ficando, muitas vezes, completamente abandonados até o dia de sua morte.

 

Pesquisas sobre esse assunto descobriram que a solidão é um problema grave de infelicidade que incide na morte prematura.

 

Também foi demonstrado que está associada com o deterioramento da saúde mental, assim como com doenças cardiovasculares, hipertensão e demência.

Como a solidão afeta os idosos?

 

Estima-se que 10% dos idosos padecem de solidão maligna, isto é, aquela que compromete a saúde física e emocional.

 

Dentre todos eles, 70% tem um problema de saúde grave associado à solidão; problemas tanto no campo psicológico como no físico.

 

Em geral, a solidão influencia na saúde cerebral de uma forma muito similar ao estresse crônico. Ambos provocam uma resposta negativa no sistema endócrino e no sistema imunológico o que, por sua vez, faz com que o organismo fique mais propenso a desenvolver diferentes patologias.

 

Segundo o diretor do Instituto de Investigaciones Psiquiátricas (Instituto de Investigações Psicológicas – IIP), o doutor Manuel Martín Carrasco, “as doenças comuns no estado de solidão são a hipertensão arterial, a diabetes, as infecções repetidas, a ansiedade e a depressão“.

 

No caso das pessoas idosas, os efeitos são mais diretos e negativos devido à diminuição da capacidade de resistência fisiológica. Isto é, a capacidade que o organismo tem para suportar e se adaptar a condições adversas; além da redução dos mecanismos de reparação, como consequência do próprio envelhecimento.

 

 

O problema da solidão

 

Estima-se que este problema esteja aumentando e que em alguns anos poderá se tornar um problema da saúde pública mundial.

 

Para os especialistas no tema, qualquer redução da solidão pode significar em benefício para a saúde do idoso, pois considera-se que “o primeiro fator que assegura uma boa qualidade de vida é ter relações sociais”.

 

O presidente da Organización Women’s Royal Voluntary Service (Organização de Serviço Voluntário Real Feminino), David McCullough, que conta com o apoio de mais de 40.000 voluntários apoiando idosos no Reino Unido, assegura que a problemática da solidão e suas consequências para a saúde estão se estendendo.

Ele e seu grupo de voluntários estão tratando de ajudar as pessoas desamparadas. Principalmente os idosos que, em condições de solidão, já sofrem com doenças, perda de mobilidade e problemas mentais.

 

Dados do Reino Unido mostram que grande parte dos idosos se sente sozinho ou abandonado, especialmente a partir dos 65.

Por isso, levando em consideração que qualquer contato social diário pode diminuir os efeitos da solidão, esta organização trabalha para alimentar, abrigar e acompanhar pessoas que, por uma ou outra razão, ficaram sozinhas nesse mundo.

 

 

Existe uma solução?

 

Quando em condição de solidão, um dos fatores determinantes é o tipo de atividade social tido durante toda a vida.

 

Neste sentido, é complicado dar tratamento e apoio a um idoso que a vida toda teve dificuldades para socializar e que foi marcado pela rejeição, a desorganização ou o temor.

 

Contudo, com um tratamento personalizado e com intervenção psicológica e, inclusive, psiquiátrica, é possível dar uma solução para essas situações.

 

Além disso, os grupos de apoio, os serviços que oferecem companhia, os grupos de terceira idade e o simples fato de se ter uma pessoa durante o dia para conversar, podem contribuir para superar a solidão e melhorar a saúde em muitos aspectos.

 

Fonte: https://melhorcomsaude.com.br/solidao-afeta-saude-dos-idosos/

comente

leia também

receba novidades em seu e-mail

cadastrar

e-mail cadastrado com sucesso, obrigado!

sobre nós divulgue seu negócio desenvolvido por Julio Guimarães