Produtos e Serviços Profissionais Casas de Repouso

blog 60 mais ativa

Informação, dicas e novidades sobre o mundo da maturidade para você

Notícias
postado 20.05.2013 às 18:00 por Portal CR
Compartilhe

Creches para idosos

Creches para idosos
Esse é um novo tipo de negócio que tem crescido em São Paulo. Alguns já nasceram como creches ou centros-dia como preferem chamar alguns especialistas. Outros são Casas de Repouso que estão aproveitando o espaço ocioso para atender os idosos por diárias. Alguns chegam a oferecer serviço de transporte (leva e traz).

"As creches são uma tendência. É um bom negócio para as Casas de Repouso porque aproveitam a estrutura física e de pessoal que já têm e resolve o dilema das famílias que não querem deixar seu idoso asilado", afirma Eduardo Bonini, consultor na área de gerontologia.

Os idosos chegam pela manhã, trazidos por familiares, passam o dia, cantam, conversam sobre as últimas notícias, recebem cuidados terapêuticos e nutricionais, fazem de quatro a seis refeições ao dia e desenvolvem várias atividades monitoradas, como desenho e canto. Também têm sessões de fisioterapia e fonoaudiologia. No final do dia, às vezes já de banho tomado, voltam para suas casas.

Como ainda não existe uma regulamentação específica, não é obrigatório um suporte médico. Mas é recomendado que a casa conte com profissionais, como terapeuta ocupacionais, nutricionistas e cuidadores profissionais. Em geral, os usuários das creches são idosos fragilizados, têm doenças como Alzheimer ou Parkinson, ou sequelas de derrame.

O termo creche é polêmico. Especialistas em envelhecimento dizem que ele é pejorativo, infantiliza o idoso. "É lamentável chamar de creche. Mesmo no caso de pessoas com demência é fundamental manter sua autonomia, respeitar seus desejos. Não é uma criança", diz o médico Alexandre Kalache, presidente do Centro Internacional de Longevidade.

Já os proprietários desses centros até usam o nome como marketing. "Já tentamos centro-dia, centro de vivência, mas o que pegou mesmo é creche ou escolinha", diz Neli Gaeta, sócia do Centro de Vivência Solar Flor de Lis. Ex-diretor na OMS na área de envelhecimento, Kalache aprova o conceito dos centros-dia. "Eles ajudam o idoso a preservar a dignidade, aumenta a sociabilização e estimula as funções físicas e mentais remanescentes." Mas ele alerta que a falta de uma regulamentação clara sobre o funcionamento dos serviços pode gerar abusos. "Vira um depósito de idosos."

Independente do termo creche ou Centros-dia o fato é que essa é uma solução bastante interessante para as famílias, porque viabiliza os cuidados necessários que o idoso precisa receber, promove a convivência, estimula a criatividade e preserva a integridade e a convivência familiar, que é muito importante ao equilíbrio emocional do idoso.

Projeto de Lei

Tramita na Câmara de São Paulo um projeto de lei que prevê a criação de creches públicas para idosos, dentro de um programa social voltado para a terceira idade. A população idosa no município é de 12%.

É fundamental termos políticas públicas não só para esse idoso que tem família e que pode voltar para casa no final do dia, como para aquele que já foi abandonado pelos familiares", diz Hélio de Oliveira, responsável pela coordenadoria do idoso do município.

Parte desses idosos sem apoio familiar é atendida hoje por um programa de acompanhamento de idosos, da Secretaria Municipal da Saúde. Os acompanhantes levam os idosos ao médico, supervisionam a alimentação e higiene pessoal e ajudam na manutenção da casa. O programa atende hoje a cerca de 2.700 idosos.

Com o envelhecimento da população brasileira, que em 2020 deve atingir 30 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, o centro-dia surge como opção para atender a demanda por um serviço de assistência a idosos semidependentes.

Idosos semidependentes são aqueles que não apresentam ações graves e que não podem receber os cuidados necessários durante o dia por parte de seus familiares.

Alguns estudos realizados pelos pesquisadores gerontólogos da USP (Universidade de São Paulo) mostram que os motivos que levam os familiares a colocar seus idosos em um centro-dia são vários. Alguns exemplos:

1 - Conflitos na família;
2 - Necessidade de tempo livre para o cuidador;
3 - Necessidade de atividade e convívio social para o idoso;
4 - Percepção do estresse e cansaço para cuidar;
5 - Declínio cognitivo e da funcionalidade do idoso.

Quando bem equipados e estruturados, esses centros trazem benefícios biopsicossociais à vida dos idosos. Dentre eles, foram relatados pelos idosos aspectos de superação a determinados eventos de vida, como a perda de entes queridos.

O convívio entre os idosos frequentadores e destes com os profissionais também se mostrou essencial no resgate da vida social. Além disso, os familiares também observam benefícios como perceber o idoso mais feliz, com mais tempo livre para si e família, além de melhora na saúde e na relação com os familiares.

Esses resultados mostram o centro-dia como opção positiva e alternativa para evitar o asilamento. Eles já são uma realidade em vários países.

No Japão, por exemplo, o centro-dia é encontrado em todos os bairros, em todo território nacional, pois perceberam que a melhor alternativa para a pessoa idosa é retornar para a casa no final do dia e permanecer na companhia de seus familiares.

Esses centros precisam ser urgentemente instalados no Brasil, em um número que possa atender à população idosa, pois os que temos são insuficientes. Por isso, é fundamental que a proposta de centro-dia para idosos seja incorporada em uma política pública, com profissionais sérios e competentes.

Fonte: Folha de São Paulo (Cláudia Collucci e Rosa Sato Chubaci)
comente

leia também

receba novidades em seu e-mail

cadastrar

e-mail cadastrado com sucesso, obrigado!

sobre nós divulgue seu negócio desenvolvido por Julio Guimarães