Produtos e Serviços Profissionais Casas de Repouso

blog 60 mais ativa

Informação, dicas e novidades sobre o mundo da maturidade para você

Saúde
postado 23.07.2014 às 11:00 por Portal CR
Compartilhe

Medo de cair assombra idosos

Medo de cair assombra idosos
Quedas não são um rito de passagem que vem com a idade; com educação e conscientização, podem ser prevenidas. O problema é encontrar uma forma eficaz de propagar essa mensagem.

Os números não mentem. Informações americanas apontam que um terço das pessoas com mais de 65 anos tem uma queda a cada ano. Somente em 2010, as quedas entre idosos representaram cerca de 3 milhões de atendimentos em emergência e quase 30 bilhões de dólares em custos médicos diretos. As autoridades americanas fazem uma previsão de que este número pode chegar a 67.700 bilhões de dólares em 2020.

Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, um em cada três indivíduos com mais de 65 anos sofre com as quedas. Desse total, um em cada 20 acaba fraturando algum osso  ou necessita de internação. E o risco de morte no ano seguinte à hospitalização em decorrência de uma queda pode chegar a 30%. “No pronto-socorro de Ortopedia do Hospital das Clínicas de São Paulo, as quedas são responsáveis por 30% dos atendimentos, com uma média de idade de quase 70 anos entre os pacientes”, relata o ortopedista Caio Gonçalves de Souza (CRM-SP 87.701), que trabalha neste hospital.

Entre os idosos com 80 anos ou mais, 40% caem a cada ano. Os que moram em asilos e casas de repouso, a frequência de quedas é de 50%. De acordo com o Centro de Estudos Ortopédicos do Hospital do Servidor Público Estadual (HSPE) de São Paulo, 70% das quedas de idosos acontecem em ambiente domiciliar.

O American Recall Center afirma que muitas dessas quedas ocorrem devido a riscos ambientais, tanto dentro como fora de casa, incluindo a má iluminação, tapetes e carpetes, rachaduras na calçada e desordem geral. Embora a maioria dessas quedas pode não resultar em ferimentos graves, elas podem ter um grande impacto psicológico. Na verdade, cerca de 25% das pessoas com 75 anos ou mais restringem desnecessariamente suas atividades por causa do medo de cair.

“O medo de cair assombra muitos idosos, particularmente aqueles que já caíram. Mas a inatividade também não os protege de novas quedas, na verdade, aumenta a probabilidade de cair novamente porque a falta dos exercícios físicos levará a uma fraqueza muscular.  É importante que os idosos saibam que uma queda feia representa o ingresso mais rápido para a incapacidade física, perda da independência e, muitas vezes, uma casa de repouso. 90% de todas as fraturas de quadril (um dos eventos mais temidos que podem transformar uma vida em um piscar de olhos) acontecem durante uma queda, e até um quarto de todos os pacientes com fratura de quadril com mais de 50 anos de idade morre dentro de um ano”, afirma o  ortopedista Caio Gonçalves de Souza, Doutor em Ciências pela FMUSP.

Fatores de risco

Imprevisíveis, rápidas e potencialmente mortais, as quedas representam um risco que nenhuma pessoa idosa pode se dar ao luxo de ignorar, em pé de igualdade com outras grandes ameaças à saúde, como ataques cardíacos e derrames. “As quedas não podem mais ser vistas como trágicos acidentes, mas como um problema evitável. Para isso é preciso identificar os fatores de risco modificáveis e fazer as intervenções necessárias, visando a prevenção da queda”, defende o médico.

A seguir, o ortopedista enumera alguns dos fatores de risco mais comuns para as quedas na terceira idade:
 
- Quedas anteriores;
-  Deficiências cognitivas, tais como a doença de Alzheimer;
-  Problemas de visão;
-  Ingestão de vários medicamentos, especialmente sedativos e medicamentos hipotensores;
-  Ter várias doenças;
-  Ter hipotensão postural;
-  Fraqueza nas pernas e pés;
-  Propriocepção reduzida;
-  Problemas de equilíbrio;
-  Marcha anormal;
-  Uso de uma bengala ou de outro dispositivo de auxílio, como um andador;
-  Calçado inseguro;
-  Riscos ambientais (tais como tapetes soltos, pisos ou calçadas irregulares);
-  Ter mais de 80 anos de idade;
-   História de desmaios;
-  Ter depressão;
-  Ter problemas funcionais (dificuldade para sair de uma cadeira, subir escadas).

“Embora o simples fato de envelhecer não aumente o risco de uma pessoa cair (pelo menos até cerca de 80 anos), ele tende a aumentar o número dos fatores de risco. Quanto mais fatores, maior o risco de uma pessoa, até que, com quatro ou mais fatores de risco reunidos, a probabilidade de queda sobe para cerca de 80% em um ano. Problemas de equilíbrio e marcha, em particular, indicam pessoas com alto risco de queda. Embora nem todos os riscos sejam modificáveis, a maioria é, por isso vale a pena prestar atenção nesses itens”, informa Caio de Souza, que também é professor de Ortopedia da Faculdade de Medicina da Uninove.

Todos os profissionais de saúde e seus pacientes idosos devem discutir a prevenção de quedas no consultório. “Apesar do crescente conhecimento sobre as quedas na terceira idade, muitos profissionais de saúde não conseguem ver uma queda como aquilo que ela realmente é: uma oportunidade para ajudar seus pacientes a evitar algo muito pior. Todos os pacientes idosos devem responder pelo menos uma pergunta sobre se eles caíram ou estão com medo de cair. Os mais idosos, dentro do perfil de risco, devem ser avaliados atentamente”, observa o ortopedista.

Qualquer pessoa que trabalha ou se preocupa com os idosos também deve estar ciente das novas orientações sobre quedas da American Geriatrics Society, que incluem avaliação e aconselhamento, avaliação de medicamentos, modificações na casa, exercícios ou fisioterapia e uso adequado de bengalas e andadores.

Um estudo mostrou que o aumento da consciência sobre os fatores de risco pelos profissionais de saúde (incluindo médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos e outros) levou a uma redução estatisticamente significativa das quedas com lesões graves, como as que resultam em fraturas de quadril, além de custos menores para os pacientes, em comparação a um grupo controle. “Educar os médicos e os demais profissionais de saúde sobre as quedas na terceira idade é tão importante quanto a educação do público sobre o tema”, defende Caio de Souza.
 
Todos os profissionais de saúde e seus pacientes idosos devem discutir a prevenção de quedas no consultório. “Apesar do crescente conhecimento sobre as quedas na terceira idade, muitos profissionais de saúde não conseguem ver uma queda como aquilo que ela realmente é: uma oportunidade para ajudar seus pacientes a evitar algo muito pior. Todos os pacientes idosos devem responder pelo menos uma pergunta sobre se eles caíram ou estão com medo de cair. Os mais idosos, dentro do perfil de risco, devem ser avaliados atentamente”, observa o ortopedista.
 
Qualquer pessoa que trabalha ou se preocupa com os idosos também deve estar ciente das novas orientações sobre quedas da American Geriatrics Society, que incluem avaliação e aconselhamento, avaliação de medicamentos, modificações na casa, exercícios ou fisioterapia e uso adequado de bengalas e andadores.

Um estudo mostrou que o aumento da consciência sobre os fatores de risco pelos profissionais de saúde (incluindo médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos e outros) levou a uma redução estatisticamente significativa das quedas com lesões graves, como as que resultam em fraturas de quadril, além de custos menores para os pacientes, em comparação a um grupo controle. “Educar os médicos e os demais profissionais de saúde sobre as quedas na terceira idade é tão importante quanto a educação do público sobre o tema”, defende Caio de Souza.

Fonte: Dr. Caio de Souza, médico, professor de Ortopedia da Faculdade de Medicina da Uninove.
comente

leia também

receba novidades em seu e-mail

cadastrar

e-mail cadastrado com sucesso, obrigado!

sobre nós divulgue seu negócio desenvolvido por Julio Guimarães